Asura’s Wrath: Mitologia Indiana, força e muita ira

Asura’s Wrath: Mitologia Indiana, força e muita ira

Asura’s Wrath é um jogo que meu amor sempre contou para mim como sendo um jogo incrível e um de seus favoritos. E agora eu conheço o porquê disso.

Resolvemos jogar juntos em revezamento o jogo. Asura’s é um jogo em capítulos, e com um pouco de “telltale” no final de cada um deles. Logo, ele tem um estilo de luta muito legal mas também quer que você fique de olho na história que ele tem para contar.

A história começa com um ataque de Gohma, como eles chamam as criaturas impuras que atacam seu planeta. Os Guardiões Generais, com poderes de semideuses, devem defender o planeta destes ataques, pelos céus. Gohma, surge das profundezas de suas terras. Asura, com ajuda de seus outros companheiros (“MAS EU NÃO PRECISO DA AJUDA DELES!Asura) fazem de tudo para purificar essa área.

Asura tem uma filha incrivelmente talentosa, Mithra. Tem poderes que amplificam o Mantra dentre outras coisas incríveis. O que torna a luta muito mais fácil, principalmente enquanto protegia seu pai. Asura nunca gostou que Mithra fizesse tal trabalho. E de certa forma, até quem tem seu corpo cheio de Ira pode ter lá seu lado sensitivo.

No jogo, Asura passa por muito sofrimento, perdas e até faz visitas à Naraka – o que eu prefiro que você confira enquanto estiver jogando o game – e principalmente, muita ira. Você sabe que o personagem é putásso quando o nome do game é “Ira de Asura” e a primeira frase que ele fala no game é que “vai matar todas essas criaturas imundas”. Pistola ou não?

asura e yasha

“Você imerge no universo e na história do jogo, sente uma conexão com o Asura, que tem um certo carisma. A narrativa é incrível e muito bem montada, principalmente se tratando de mitologia. Apesar de o principal foco do game não ser o combate, ele tem uma semelhança no carisma e nas ações de Kratos. É um dos poucos jogos que você mergulha na história na geração do Xbox 360/PS3.”

Comentário do Meu Amorzinho, Vinicius.

Eu já terminei o jogo e o que eu tenho a dizer é que ele é surpreendente e divertido. Não é o tipo de jogo que você vai querer jogar de novo e de novo sucessivamente. É o tipo de jogo que daqui a alguns meses ou anos, você vai lembrar e aí sim vai desejar jogá-lo. Meu namorado passava por essa nostalgia enquanto eu conhecia pela primeira vez a história.

O cara é sinistro e o final é incrível. Não é como as historinhas comuns.

Não quero detalhar, porque eu sinto que é um jogo bastante interessante, que vale a pena conhecer enquanto está jogando. Inclusive, ele é bem leve. Você consegue o jogar de maneira fluida. Não é aquele tipo de jogo que você fica saturado de tanto jogá-lo, ou que a história te deixa mais cansado enquanto progride. Ele é realmente empolgante.

E assim como as séries que a gente ama, ao acabar o capítulo e ler a história que procede cada um, você já quer logo o próximo capítulo. Por sorte, o jogo já lançou todos seus episódios. Inclusive, talvez uma parte triste e que meu próprio namorado reclamou, é que parte da história é formada como DLCs (mas vale a pena, você não vai aguentar não baixá-las caso jogue e goste).

O estilo dele não é exatamente único, mas é muito característico. Não vejo nenhum jogo com o estilo de arte totalmente igual ao de Asura’s Wrath. É dos mesmos produtores dos jogos de Naruto, ele tem o estilo de luta semelhante. A arte também segue a mesma direção, mas é muito mais bem trabalhado e detalhado. Enquanto isso, a saga de Naruto é bem animada, lisa e com menos detalhes como linhas de expressão, sombras, etc.

Outros jogos, como One Piece Pirate Warrior, também seguem esse estilo. Isso caso você tenha jogado algum. Se você gosta e se identifica com os jogos que citei, pode acabar aproveitando bastante o Asura’s. Mas, quem curte uma história também irá gostar bastante. Costumavam até mesmo chamar o Asura’s Wrath de “o Kratos japonês”.

Ah! E se você acha que por ter a mitologia indiana envolvida vai ser um negócio chato, tradicional e histórico, já te aviso que está se enganando. O jogo tem muito mais a ver com valores, luta, caráter, amor… Asura é um anti-herói, e ele só tem um propósito. Apesar do jogo não desrespeitar a história tradicional de ninguém, Asura não tá nem aí pro fato de que vai bater em seja lá que deus for. Logo, não dá pra ser um joguinho tradicional.

Pra mim, valeu muito a pena jogar. A história é incrível, a direção de arte muito muito bem feita, a jogabilidade é divertida e a interação também. E também valeu pelo fato de ser um jogo que faz parte da lista de favoritos do meu amor (e hoje, da minha também kkk).

Uma discussão para finalizar: É fato que não há quem vença Asura no mundo dos games – pelo menos que eu conheça – e se duvida é só conferir o game. Se não quer que seu herói favorito tome um couro, é só não permitir que ele mexa com a filha de Asura.

Você conhecia Asura’s Wrath? Que tal?



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *